POTENCIAL DE FOSFITO DE MANGANÊS NO CONTROLE in vitro DE Fusarium graminearum

Caroline Nayara Reolon Felipetto

Resumo


O milho (Zea mays L.) esta entre os cereais mais importantes para alimentação humana e animal. O presente estudo teve por finalidade avaliar a eficiência do fosfito de manganês sobre o fungo Fusarium graminearum em condições in vitro em diferentes doses. O trabalho foi desenvolvido no Laboratório de Fitossanidade da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Dois Vizinhos/Paraná. O fosfito foi adicionado ao meio BDA (Batata-dextrose-ágar), nas doses de 0,2;0,4;0,6;0,8 e 1mL-1, assim como um tratamento controle, onde continha agua esterilizada, foram vertidos para placas de Petri, e após adicionado ao centro de cada placa um disco de 1 cm de diâmetro do patógeno no centro. Armazenou-se as placas em câmara de germinação do tipo BOD durante sete dias em condições controladas de 23ºC ± 1ºC e fotoperíodo de 12 horas. O delineamento experimental tipo inteiramente casualizado, divididos em quatro repetições. As avaliações iniciaram 48 horas após a montagem do experimento e seguiu ate o fechamento total da placa. As médias foram analisadas pelo teste de Tukey á nível de 5% de probabilidade de erro. O fosfito de manganês (Ultra Mn 10) apresentou total controle sobre Fusarium graminearum em condições de desenvolvimento in vitro. 


Texto completo:

PDF


CCT - UTFPR - DV