EFICIÊNCIA DO FOSFITO DE MANGANÊS NO TRATAMENTO DE SEMENTES DE MILHO VISANDO O CONTROLE DE Fusarium verticillioides

Regis Callegaro Borin, Caliandra Bernardi, Roberto Sadao Sinabucro Saburo, Thayllane de Campos, Sergio Miguel Mazaro, Jean Carlos Possenti, Maristela do Santos Ray

Resumo


O uso irracional de produtos químicos traz a necessidade de utilização de novas tecnologias para controle de patógenos em sementes. O objetivo deste estudo foi avaliar o potencial do fosfito de manganês no controle de fungos de sementes de milho.  Os testes foram realizados no Laboratório de Fitossanidade da UTFPR– Campus Dois Vizinhos. As sementes foram divididas em seis tratamentos, sendo utilizado para cada um uma dose diferente do produto (0,2;0,4;0,6;0,8;e1 mL´-1), e para a testemunha agua destilada. O tratamento das sementes foi realizado de forma manual, misturando-as com a calda e homogeneizando-as em saco plástico. Cada tratamento contou com oito repetições, sendo que as mesmas, após plaqueadas, foram armazenadas por um período de sete dias em câmara de germinação do tipo BOD com T de 23 ˚C ± 1 ˚C e fotoperíodo de 12 horas. As sementes foram observadas com auxilio de estereomicroscópio, onde se identificou a incidência de fitopatógenos, através das características estruturais e reprodutivas dos mesmos. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado, sendo a unidade experimental uma caixa Gerbox com quatro repetições. As médias foram analisadas pelo teste de Tukey á nível de 5% de probabilidade de erro. Conclui-se que o fosfito de manganês controla de forma significativa Fusarium verticillioides, principalmente na dose de 10 mL-1.


Texto completo:

PDF


CCT - UTFPR - DV