AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DE FOLHAS NA ESTAQUIA DE Hibiscus rosa-sinensis

Emiliana de Almeida Vergés, Patricia Micheli Bravo Fukuda, Michel Anderson Masiero, Fernanda Lucia Moreira, Crislaine Muller, Daniela Macedo de Lima

Resumo


A propagação vegetativa é um método muito utilizado por ter baixo custo econômico e ser fácil de realizar, consistindo de um ramo da planta-matriz que desenvolverá uma nova planta a partir do mesmo. O objetivo do trabalho é avaliar a a influência da presença de folhas no enraizamento de estacas de Hibiscus rosa-sinensis. Hibisco é uma planta em forma de arbusto lenhoso, que pode atingir até cinco metros de altura. Para o experimento estacas de 8 cm foram preparadas a partir de ramos semilenhosos coletados de planta matriz existente na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Câmpus Dois Vizinhos (UTFPR-DV). As estacas foram separadas em três tratamentos: estacas sem folhas, estacas com uma folha cortada ao meio e estacas com duas folhas cortadas ao meio. O plantio foi realizado em tubetes polipropileno de 120 cm³, contendo vermiculita, condicionados em bandejas mantidas em casa de sombra do Viveiro Florestal do Câmpus, sob irrigações manuais até o período de avaliação. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com três tratamentos e quatro repetições de dez estacas por parcela. Aos 70 dias foram avaliadas as variáveis: porcentagem de estacas enraizadas, número e comprimento médio de raízes por estaca. A presença de folhas favoreceu o enraizamento, assim como número e comprimento médio de raízes. O maior enraizamento foi verificado em estacas com meia folha (70,0%), já o número (4,98) e comprimento das raízes (3,96cm) foi no observado em estacas com duas folhas reduzidas à metade (3,96cm). A presença de folhas nas estacas promoveu o enraizamento, pois apresentou maiores fontes de fotoassimilados como carboidratos e açucares.


Texto completo:

PDF


CCT - UTFPR - DV